quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Churros ao Chocolate, da Nigella



Olás, tudo bem?!
Quando eu era criança havia um carrinho de churros no jardim da matriz. Sábado a noite passear no jardim da matriz era o único programa da maioria das famílias com crianças: os pais e mães ficavam nos bancos, conversando, e nós correndo e brincando por ali por perto. A gente podia comer pipoca do carrinho do pipoqueiro [sem pimenta!] ou tomar sorvete de palito [sempre de uva!] no cinema na esquina da praça, mas os churros eram terminantemente proibidos: davam dor de barriga, eram encharcados de óleo, de massa pesada, enjoativos, mal-feitos, sem higiene, e por aí vai. Eram tão mal falados que ninguém nem tinha vontade de pedir churros, até as crianças torciam o nariz.
Eu não sei bem qual o motivo real dessa proibição, já que o carrinho de churros permanece funcionando até hoje, mas em consequência disso fui provar churros pela primeira vez com uns 17, 18 anos, já na faculdade. Foi quando me dei conta do que eu tinha perdido, todos esses anos sem churros.
Mesmo assim, não sei porque também, sempre achei que churro fosse um doce difícil demais para se fazer em casa [talvez pela 'seringa' especial usada para moldar os churros e recheá-los]. Churro era pra se comer na rua e ponto, até que dia desses Nigelíssima apareceu fritando pequenos churros dourados e mudou tudo! Até duvidei da receita dela, confesso - medo de que fosse uma adaptação facilitada - mas não, era praticamente isso mesmo! Fácil fácil, sem seringa nem nada! E ao invés do recheio complicado de se colocar dentro, as massinhas eram, a cada mordida, mergulhadas em ganache de chocolate! Pecado mortal, algo tão simples de se fazer e tão delicioso, não?!
Espero que gostem, tanto quando a minha família de torcedores-de-nariz-para-churros gostou!

Churros ao Chocolate, da Nigella
[receita daqui, rende 12 churros de aproximadamente 14cm cada]

Ingredientes para a massa:
250g de farinha de trigo;
1 colher de chá de fermento em pó;
1 pitada de sal;
2 colheres de sopa de azeite de oliva;
450ml de água fervente.

750ml de óleo de canola para fritar;
1/2 xícara de açúcar refinado e 1 colher de sopa de canela em pó para passar os churros.

Para o molho de chocolate:
200g de chocolate amargo picado;
50g de chocolate ao leite picado;
2 colheres de sopa de glucose de milho;
300ml de creme de leite.

Prepare o molho de chocolate:
Em uma panelinha pequena de fundo grosso junte os chocolates picados, a glucose e o creme de leite e leve ao fogo baixo, mexendo com uma colher, até que o chocolate derreta e a mistura se torne homogênea, com cuidado para não ferver. Apague o fogo e reserve.

Prepare os churros:
Em uma tigela grande, peneire a farinha, o fermento e o sal. Misture a água fervente com o azeite e adicione à mistura de farinha. Mexa bem com uma colher de pau até incorporar todo o líquido [a massa fica dura, como massa de coxinha, levemente grudenta]. Deixe descansar por 10 minutos.
Em uma panela de fundo grosso e de boca larga coloque o óleo para aquecer [será fritura por imersão, por isso tanto óleo]. O óleo deve aquecer até 170 graus [ou faça o teste adicionando um pedacinho de miolo de pão, que deverá ficar dourado em 30 segundos, sem queimar]. 
Agora você vai precisar de uma tesoura e um saco de confeitar com bico tipo pitanga aberta grande [parece besteira, mas o formato é importante - as dobrinhas do bico pitanga aumentam bastante a área de contato da massa com o óleo, deixando o churro mais sequinho e crocante]. Passe toda a massa para o saco de confeitar e esprema os churros diretamente sobre o óleo quente, cortando com a tesoura quando alcançar o tamanho desejado [fiz os meus com 14cm mais ou menos, mas você pode fazê-los curtinhos]. Frite 3 churros por vez, por uns 4 minutos até ficarem dourados de todos os lados.
Retire os churros do óleo e escorra em papel absorvente.
Passe cada churro na mistura de açúcar e canela, batendo levemente para tirar o excesso, e sirva imediatamente, acompanhados do molho de chocolate [que pode ser reaquecido na hora de servir].



terça-feira, 1 de outubro de 2013

Torradas francesas com maçãs douradas no bordo


Olás, tudo bem?
A Cozinha Coletiva anda tão parada, não é?! Voltei a morar com a minha família [pois é, outra vez] e agora concorro diretamente, pelo domínio do espaço da cozinha, com uma avó que adora bolos de caixinha e com uma mãe confeiteira. Além de que família já viu, né? Todo mundo quer saber o que você está cozinhando, todo mundo quer sair na foto de comida que você está tentando tirar, todo mundo quer saber porque, o que, quanto, pra que, onde, etc. E ninguém entende quando você quer refazer aquela receita, porque não ficou exatamente como você queria, e nem quando, depois, você fica tirando mil fotos da mesma coisa, tentando se acostumar com a nova [e pouca] luz disponível. 
A parte boa é que enquanto me acostumo com eles, eles se acostumam comigo [e com minhas esquisitices culinário-fotográficas] e a gente acaba não se matando. Parte boa também é ter uma vizinha fornecedora de ovos caipiras, daqueles pequeninos e de gema vermelhinha, e descobrir que ainda existem por aqui lugares onde você leva seu latão [aparentemente todo mundo tem um latãozinho de alumínio em casa] e compra leite gordo fresquinho! Mal posso esperar pra fazer queijo!
Sobre a receita de hoje, tudo começou com uma coceirinha de preparar brioche em casa, daquelas que não passam até que a gente faça, sabe? Quase quebrei minha batedeira planetária por causa disso [aquela mesma que pulou da bancada, quase se desmanchou inteira pra bater a bendita massa], mas na segunda tentativa [porque na primeira errei e botei o dobro do fermento pedido] consegui brioches Nanterre [aqueles assados na fôrma de pão] bastante satisfatórios! A receita deles fico devendo ainda [esqueci de fotografar o processo todo] mas deixo aqui uma sugestão incrível de café da manhã preparado com eles! Espero que gostem!



Torradas Francesas com Maçãs douradas no Xarope de Bordo
[receita da Martha Stewart, adaptada daqui]

Ingredientes: 
6 ovos;
1 xícara de leite;
1/2 colher de chá de extrato de baunilha;
Canela em pó;
6 fatias grossas de brioche amanhecido [você pode comprar um brioche pronto ou substituir por pão de fôrma amanhecido];
2 colheres de sopa de manteiga sem sal;
3 maçãs, sem cascas e sementes, fatiadas;
2 colheres de sopa de água;
1/2 xícara de xarope de bordo [maple syrup].

Açúcar para polvilhar [opcional].

Preparo:
Bata os ovos, leite, baunilha e uma pitada de canela em pó em um prato grande, onde caibam as 6 fatias de pão em uma única camada. Espalhe as fatias de brioche sobre a mistura, virando as fatias dos dois lados, para que absorvam todo o líquido.
Enquanto isso, leve uma frigideira ao fogo médio, derreta uma colher de manteiga e adicione as fatias de maçã, mexendo para as fatias dourarem dos dois lados. Adicione as 2 colheres de sopa de água e deixe cozinhar, mexendo de vez em quando, por uns 4 minutos, até as maçãs ficarem macias. Adicione o xarope de bordo e uma pitada de canela em pó, misture bem e deixe cozinhar por mais um minuto. Reserve.
Em uma frigideira anti-aderente grande, derreta uma colher de manteiga e, com cuidado, distribua as fatias de brioche encharcadas. Deixe dourar, vire as fatias e douro do outro lado [leva uns quatro minutos para dourar dos dois lados]. 
Retire as fatias, descanse-as rapidamente sobre papel absorvente e polvilhe com açúcar [opcional]. Coloque 2 fatias por prato de servir e cubra com as fatias de maçã e a calda que se formou. Sirva imediatamente!